Poemas e Prosas: SABASTIÃO

quarta-feira, 20 de maio de 2015

SABASTIÃO

SABASTIÃO 
DE MANOEL DE BARROS

Todos eram iguais perante a lua 
Menos só Sabastião, mas era diz-que louco daí pra fora — 
Jacaré no seco anda? — preguntava. 
Meu amigo Sabastião 
Um pouco louco Corria divinamente de jacaré. 
Tinha um Que era da sela dele somentes
 E estranhava as pessoas.
 Naquele jacaré ele apostava corrida com qualquer peixe 
Que esse Sabastião era ordinário!
 Desencostado da terra Sabastião 
Meu amigo
 Um pouco louco.