Poemas e Prosas: RUA ESCURA

quarta-feira, 30 de março de 2016

RUA ESCURA

RUA ESCURA 
DE WESLEY COELHO

A rua escura de calçadas
Vertiginosas fazem o suor 
Do rosto esquentar pulverizando-se na esquina.
Perdido serei, ou sou, na rua
Sombria de olhos curiosos.
Cantei meu poema para a história,porém
Deixou-me sozinho a senhora do tempo.
Mas assim cativei quem não vive
De tempo, mas de arte.
Arte visceral!
Canto interno!
Medida imperfeita, seca, sem humor.
Perdi o sentido por um momento.
Estou fazendo história.